11 de agosto de 2015

Sobre os últimos dias.

Estar longe da civilização aproxima-nos de outras coisas e de outros lugares. De outros pensamentos.
Estar no Alentejo significa-me uma falsa calma. A boa comida e a brisa fresca criam um ambiente leve, como um refúgio. Mas ninguém se pode refugiar para sempre. 

Um grande amigo costuma dizer-me que eu sou o 1%. A miúda de olhos castanhos cujos ascendentes de olhos verdes traíram. Todos menos o avô materno que nunca conheceu. Talvez seja destino. Adiante.

Sou o 1% porque me recuso a ser peixe que vai com a maré. Sou o 1% porque as minhas conquistas são enormes, deliciosas!



Sou 1% porque sei que vou conquistar o meu lugar. Tenho força mais que necessária para isso. Só não posso estar refugiada. Tudo se há-de compor.



Bem, houve MeoSudoeste, muita música e óptimas pessoas (Ana Rita e Carlos Eduardo, se me estão a ler avisem!!!) que seria um gosto conhecer melhor! É sempre assim. Fica sempre um sabor bom.
Fica sempre o rasto das vozes e das gargalhadas de quem cá passou.



As vilas ficam agora mais sossegadas. Agora o turismo é outro. Mais adulto, mais sereno, de classes mais altas. São igualmente bem vindos. 

Temos tudo para oferecer. Somos tão dados. Quem vem costuma voltar. Traçam-se amizades e trocam-se experiências.
Voltem sempre! Há um punhado de areia e um pouco de mar para cada um. Há peixe, marisco e um teto.

Vila Nova de Milfontes vista da Praia das Furnas.

Novidades para breve! 

Um beijo,
MariaDaniela 

2 comentários:

  1. Hummmm, terminaste o estágio? Correu tudo bem? Espero que sejam novidades bem boas.

    Uma beijoca *

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o estágio chegou ao fim e foi maravilhoso. Agora está a Direção da EDP Distribuição (zona Sul) a tentar convencer a Administração a deixar-me entrar de novo. É uma luta! :P
      Assim que tiver notícias escarrapacho-as aqui :)
      Um beijinho!!

      Eliminar