15 de fevereiro de 2016

Quando a transparência é um defeito.

Gosto muito do que é genuíno.
Gosto de mim sem maquilhagem, sem push in ou push up. Gosto do meu tom sério e da minha falta de jeito para a matemática. Gosto das imperfeições das pessoas. 

Só que ser-se genuíno e transparente às vezes é o acesso direito para a crítica destrutiva.
A semana passada criticaram a minha pronúncia. Essa mesma pronúncia que nunca fiz por perder e que me faz pertencer imediatamente a um lugar. Gosto dela mesmo admitindo que é talvez a mais "desleixadona" do país. 
Falava com uma senhora e, em brincadeira, disse: Ahh, como eu gosto desta pronúncia do "esquecér"!. 
Senhora farense e simpática, com quem poderia passar horas a conversar. Junto ao ombro tenho uma miudinha lisboeta (bem minha conhecida) que, achando que eu estava a ser irónica, solta um: Deves ter muito que falar!! 
Não tinha. Só tinha mesmo que referir que adoro os gestos, a cultura e o sotaque de toda a gente. Adoro que partilhem isso comigo. As palavras que não conheço, os rituais, os gostos ou os pratos típicos. 

Há quem se envergonhe das raízes e há quem as carregue ao peito. 
Há os que acham que "tudo está baim" quando "ê nã sê mas tamêm acho q'é capaz de fecar".
E ainda há uma coisa muito maior que isso: é que não devemos indicar o certo ou o errado a ninguém, quando o assunto é a sua identidade. 

A minha identidade e aquilo que me distingue dos restantes é a pronúncia e o sorriso pendurado nas orelhas. Não haverá ninguém que por mais que argumente me faça perder nenhum dos dois. No mundo em que vivemos já somos demasiado carneirinhos, já usamos todos as mesmas roupas, fazemos as mesmas atividades e somos fiéis às mesmas redes sociais. 
Não queiramos ser um copy paste de toda a gente. Assumamos o nosso sinal na testa, o nosso nariz de batatinha, os nossos olhos de cores diferentes, a nossa altura e a nossa essência.

Todos nós nascemos um original, não uma cópia.

Um beijo,
MariaDaniela

2 comentários:

  1. Mai nada! Eu tenho um mix de nortenho dos meus pais, e algarvio onde cresci e tenho bastante orgulho nisso xD

    ResponderEliminar
  2. Acho que fazes muito bem em manter-te original. Orgulhosamente original!
    nem mais nem menos | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar