11 de maio de 2016

Mãe, deixei as boas maneiras aí em casa!



Pois que esta boa amiga que vocês aqui fizeram passou por uma situação traumática que nem tão cedo apagará do seu tecido nervoso. (Não, o camadão de porrada que apanhei no hipermercado de que vos falei aqui nem se chega aos calcanhares disto que aí vem.)
Como é do conhecimento de vossas excelências, o país anda a viver sob ameaça de Semanas Académicas e outras com nomes diferentes mas que significam todas o mesmo terror: adolescentes mais bêbedos do que aquele frango velho que atafulhamos em cerveja para amaciar. 
Eu, que estou a viver uma experiência avassaladora mas que ainda me há-de valer um prémio literário, partilho casa com um estudante com vida social ativa. Já adivinham o que aí vem, certo?

Tudo muito bem, gente educada que até sabe comer de faquinha e garfo no expediente normal, mas assim que chega esta altura tenebrosa do ano, a bicheza solta-se qual manada de bisontes nervosos. 
Vivendo perto do recinto, como é óbvio, a minha-nossa casa foi ponto de paragem muitas vezes. O sítio onde bebem Don Simon porque sair de casa sóbrio não tem swag. E o que vos tenho a dizer sobre isso é que foi um estágio à minha resistência e força de espírito. Mandem-me combater o estado islâmico. Se sobrevivi a este rasto de destruição e nojeira aguento tudo. 

"Ah, nem exageras nem nada.", pensam vocês que ingenuamente ainda acreditam na Humanidade. 
Não exagero, não senhoras. Entre batons partidos e pisados no chão, cinzas na banheira do WC dos rapazes, restos de comida pelo chão da cozinha e mobiliário urbano que nem quero saber como foi parar à sala, venha o Diabo, sente-se e observe. 
Tudo crianças que até parecem asseadinhas, que sabem dizer "por favor" e "obrigado" mas assim que saem de casa da Senhora Idalete fritam tão bem a pipoquinha que mais parece que foram teletransportados do ano de 50.000 Antes de Noss'Senhor Jesus Cristo. 

Graças a Deus não usaram a minha casa de banho mas ainda ontem gritava um colega, visivelmente transtornado com o seu destino, "Tenho um novelo de cabelos de gaja do tamanho do meu punho no ralo!!". Nunca mais será o mesmo, coitado. 

E é com isto que eu percebo que sou uma carcaça velha. No meu tempo, quando nos dávamos a esse luxo que era ficar em casa de alguém, a primeira regra era fazer o menor número de javardeira possível. Ou que limpássemos a porcaria que fizéssemos. Preparávamos nós o almoço numa de escovar o pêlo ao anfitrião mas de uma forma mais útil. Ah, antigamente é que era... 

Pronto, o que há a dizer, curto e grosso, é o seguinte: se vocês são esses adolescentes* parvos que deixam um rasto de sangria rasca e pêlos do umbigo em casas alheias, bazem! A sério, vocês passaram à disciplina de Educação Cívica porque o vosso cota pagou ao professor, vocês não têm um neurónio saudável que perceba que alguém vai ter de limpar todo o nojo da vossa existência.
É bom que aprendam a comportar-se em sociedade já que na fila do Desemprego não deixam passar à frente! Agora fui má... Tenham fé, queridos estudantes, muita fé. Vocês são o futuro.


Isto precisava de ser dito. Não me julguem.

* estudantes universitários ou outros que nunca tenham pago uma despesa com dinheiro ganho por si. 



MariaDaniela

2 comentários:

  1. Olá fofinha! Sei que tenho andado desaparecida, mas a vida tem sido uma correria!!! :p
    Ai a SA!!! Realmente com a idade vamos ficando com menos paciência, mas é sempre um evento daqueles ahahaha Boas noites no recinto, sim senhora!!! Agora põe mas é esses jovens em ordem ahahah!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!! Tens andado desaparecida sim senhora mas os motivos são muito bons por isso eu não chateio :P
      A SA é um evento em que vocês estudantes se tornam na coisa mais insuportável ahahah Mas sei que desse lado é divertido, só temos de perdoar as maluqueiras!
      As minhas visitas já foram embora, felizmente. Foi duro mas já passou ahah
      Beijinhos

      Eliminar