23 de maio de 2016

Open Minded

Tal como muitas de vocês que estão desse lado, sou extremamente criteriosa em quase tudo na vida. Acho que muitas vezes, sem dar conta, abuso nos critérios ao ponto de criar preconceitos. O fim de semana passado provou-me exatamente isso.
Fui exposta a um ambiente que não me é familiar, rodeada de centenas de pessoas que não conhecia e que, nesta cabecinha pensadora, tinha tudo para correr mal. 
Acabei por passar grande parte do tempo com uma rapariga da minha idade que não tem rigorosamente nada que a assemelhe a mim e a única questão é que correu tudo tão bem que ainda me custa a acreditar que não estive sempre a olhar para o relógio. 
Se a tivesse conhecido noutro contexto muito possivelmente teria "descartado" logo a possibilidade de nos darmos, mas ao estar desprotegida a coisa fluiu de forma muito natural. 
E é isso que me tem dado que pensar. Que preciso muito de abrir os olhos e a cabeça. Já me formatei demasiado para conhecer pessoas com interesses semelhantes aos meus, com postura e sonhos que andam ali no de dedinhos entrelaçados com os meus. Agora que dou uma vista de olhos, haverá coisa mais aborrecida?





Criei uma certa resistência a pessoas com gostos que não compreendo (podemos falar de kizomba?! ahah) o que me fez bloquear a entrada de pessoas na minha vida, bem como a saída de outras. 
Nessa festa, percebi que a única pessoa com quem partilhava vontades não era de todo a que mais me divertia. Estive rodeada de gente tão despida de porcarias e de ideias que não as leva a lado nenhum que agora me faz sentir uma autêntica tola. 
Penso que ficámos amigos, que nos voltaremos a ver brevemente e que a próxima vez será tão bem regada e tão bem disposta como a primeira. 
É incrível como com tudo o que nos separa, os princípios e o humor nos juntam de uma forma tão deliciosa. 
Sobre aquela única pessoa que conhecia na festa? Ah, já vai estando na altura de sair da minha vida.

Acho que devemos dar uma vista de olhos à nossa vida assim ocasionalmente tal como fazemos com o nosso armário. Há gente que está a fazer peso e a acrescentar rigorosamente nada e há gente tão boa que precisa mesmo de entrar e escancarar a porta, trazendo todo aquele ar fresco à nossa salinha. 

Entendem aquilo que vos digo? Todos os vossos amigos seguem um certo perfil? Então, tal como eu, estão a precisar conhecer mais gente! Só para abrir a cabeça.
Quer dizer, não literalmente. Não se dêem com alguém capaz de vos abrir a cabeça! Vocês perceberam. 

Um beijo,
MariaDaniela

1 comentário:

  1. Que excelente post cheio de verdades!!! Obrigada por partilhares a tua experiência
    Grande beijinho,
    Madalena

    www.maadalenaaa.blogspot.com

    ResponderEliminar