29 de novembro de 2016

Os mais típicos dramas de Natal!

http://www.cartoonbrew.com/

Estamos a entrar no mês mais festivo do ano, já houve quem aproveitasse a Black Friday e a Cyber Monday para despachar umas prendinhas de Natal e eu estou aqui sentada, feita mono, a olhar para o pc.
Não me interpretem mal, adoro o Natal, mas esta época traz sempre stress e com o passar das primaveras, no meu caso passa de nervoso miudinho a revirar de olhos. 
Fiz uma pesquisa intensiva (ou então vou escrever conforme me vier à cabecinha) sobre os três maiores dramas que muitas pessoas vivem nos dias que antecedem o Natal.


- Tal como nos casamentos, há um convidado de que não gostamos.
Começo logo com esta delicada patada a pés juntos nas costelas. Ou porque é costume ou porque a pessoa nos fez um favor ou o raio que a parta mas que se acuse quem nunca faz frete no Natal! Ok, às vezes a pessoa em causa é o nosso primo direito que nos esmigalhou o ego ao chamar-nos gordas até aos 18 anos ou o nosso meio irmão que toda a gente sabe que tem um atraso e aí não há muito como fugir. Gramamos e tentamos meter a nossa melhor cara de paisagem mas só a respiração daquela pessoa desperta sentimentos capazes de fazer corar Mr. Belzebu. 
Então, estes dias tão cheios de significado e união e o tanas ficam sempre manchados com alguma piadinha de gosto duvidoso, umas trocas de olhares carregadinhas de desprezo, essas coisas lindas que acompanham bem com perú e batatinhas a murro.

- Jesus Cristo, odeio este presente!
Há coisa de 2 ou 3 Natais, a minha irmã perguntou-me o que eu gostava que ela me oferecesse. Eu pedi-lhe um fiozinho discreto daqueles que podemos usar todos os dias. Na hora de desembrulhar deparo-me com um fio bem grosso, num dourado velho, com um pendente do tamanho da palma da minha mão que me badalava junto ao umbigo. Não sei se foi a gozar com a minha cara ou se "uma-coisa-simples" é um conceito assim tão subjetivo. Obviamente troquei.
Mas acontece disto toooooodos os anos e pior que não ter coragem pra ir trocar é ficar com aquela jarra "pintada à mão pelas freiras cegas do Tibete" nalguma fábrica da China porque a pessoa ofereceu com tanto carinho. Há SEMPRE algum presente que demonstra que a pessoa nos conhece tão bem como ao José Cid. Aos mais próximos damos sempre umas dicas mas os mais distantes atiram no escuro e às vezes mais valia darem só um abraço.

- Que comece a dieta pré Natal! (E até lá ter 27 crises de fúria do açúcar!)
Assim que o povo sente o cheiro a Dezembro sabe que lá mais para o final vai enfardar coisinhas boas que nem gente grande. Então, adjudica uma produção de alface e tenta viver no mínimo durante aquelas 3-4 semanas antes da consoada. Cada trinca num brócolo sabe a rabanada e cada filete de pescada lembra mesmo o maldito do perú, até que começamos a salivar e a ficar com as pontas dos dedos dormentes e num instantinho varremos uma tablete e uns pastéis de nata... Mas nada que não se resolva com mais uma semana a couve-flor... Até ao próximo desastre. Vivemos assim até à véspera de Natal e não perdemos um único grama pelo caminho, com jeito até chegamos nós próprios mais recheados à mesa mágica dos petiscos. Em Janeiro logo pensamos nisso!

Bom, quem é que se identifica com alguma coisa destas?
Volto a dizer que adoro o Natal, ok? Mas estas são as três coisas pelas quais sei que vou invariavelmente passar. E o humor também anda reles, daí o meu desaparecimento momentâneo. Não levem a mal esta vossa ajuda meio atravessada (traduzindo do alentejanês: meio parva).
Já estou a pensar em coisas muito mais giras pra falar sobre esta época portante, relaxai que não vos vou dar cabo da mística natalícia... Foi só hoje! ahah

Um beijo,
MariaDaniela

Sem comentários:

Enviar um comentário