14 de novembro de 2017

O Karma, esse sacana!

Não, não é miragem, não é um pássaro nem um avião! É mesmo verdade. Cá está um post da outrora desaparecida taberneira.
Os dedos estão empenados mas hoje precisei de jogar conversa fora. São muitos meses de clausura e já havia muita filosofia barata a fervilhar que não podia ser reprimida mais tempo.

Ora já que cá estamos, vamos lá ver. O café ganhou humidade por isso sai um chá de poejo prá canalha! 
Desde miúda pequena ouvi a minha gorducha e simpática mãe dizer que a justiça divina tarda mas não falha. Agora a malta mai moderna fala em Karma. Ora, Karma, Justiça de Deus ou Gertrudes, parece-me fatal como o destino que há aqui qualquer coisa e o nome que se lixe que nos encarrega de ver uma situação sempre de dois lados. Quem está comigo digita um Amém, irmãos!! ahahah
Lá está, eu ainda me deixo embalar pelas barbaridades que escrevo. Que Deus me conserve assim! 



Bom, ia dizendo que isto há aqui uma balança invisível que trata de equilibrar os nossos pesos e as nossas medidas. Se traíste, se calhar um dia vais ser traída (olha que se forem de marfim ainda valem bom dinheiro!), se tens nojinho de mendigos ainda podes vir a contar cêntimos, se te ris porque alguém tropeçou na rua... bem, se calhar vais andar o dia todo com batom nos dentes sem saber! ahah
E muitas vezes, para nos tornamos seres vivos um bocadinho menos asquerosos temos que afucinhar na lama para dar valor às simpatias desta vida. 
Somos todos muita lindos a partilhar frases em português do Brasil no facebook e fotos de animaizinhos mas são os desafios que vamos encontrando e a forma como os resolvemos que constroem o nosso caráter. Tão profundo que quase encontrei o bom gosto da Rita Pereira aqui.

Eu que tenho olho para a coisa, sempre achei que antes de poder voltar a suspirar de alívio (já com aquele ligeiro catarro, que os anos passam, minhas amigas, os anos passam) teria de saldar a minha dívida. Mas assim que eu sentisse que estivesse tudo pago, balcão limpo, chão varrido e cuecas lavadas, já não ia assentir que me surgisse mais nenhuma filhadaputisse na vida. Daquelas em que vês a casca de banana no chão e pensas "lá vamos nós cair outra vez".
Acho que quando já levaste no lombo aquilo que tinhas a levar te apercebes disso. Olhas para os caquinhos e entendes que se calhar já está bom. Agora é ir comprar cola ao chinês e fazer o melhor que se pode. A coisa pode ficar diferente do que era mas o que não te muda não te transtorna. Não é assim que se diz? ahahah

Corri os últimos posts e vi que o que mais me deixou extasiada num momento foi o que também me fez largar isto. Ah, essa ratazana cabeluda que é a ironia. 
Agora que paguei em prestações e deixei gorjeta no final, só podem vir aí coisas boas! Uma delas está em construção... penso eeeeeu! Pezinhos de lã nesta porra. 

Portantos, como já se aperceberam este momento de prosa de altíssima cólidade está no fim. Quem se sentir com ganas, que deixe nos comentários a sua história com o karma ou a situação mais linda que já viu acontecer a alguém! Estamos cá pra isso, juventude! Por nos rirmos dos outros já devemos ter lugar cativo na herdade de Belzedu mas isso é conversa para outros quinhentos! 

A taberneira cá do sítio.

4 comentários:

  1. Espero que tudo te corra da forma que idealizas! O Karma?! Adoro-o! Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para quem tem feito algumas asneiras, o karma é algo com que se aprende a conviver e respeitar! :P
      Obrigada! Beijinhoo

      Eliminar
  2. "se te ris porque alguém tropeçou na rua"... juro que tive a certeza que ia cair no meu casamento como castigo das gargalhadas descontroladas que solto cada vez que presencio uma queda. Felizmente safei-me.
    Seja como for: que bom ter-te de volta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahahahah o destino poupou-te a esse momento épico! :P
      Eu, como sou muuito desastrada, se vejo alguém cair penso sempre "que bom! desta vez não fui eu!"
      Obrigada, Cat! *

      Eliminar